Back to top

Joana Cabral de Oliveira, Marta Amoroso, Ana Gabriela Morim de Lima, Karen Shiratori, Stelio Marras, Laure Emperaire. (2024) Voix végétales: Diversité, résistances et histoires de la forêt. IRD Éditions. Collection : Mondes vivants.

Ao longo da história do pensamento naturalista moderno, a vida vegetal tem sido subordinada a outras formas de vida. As plantas e, de forma mais ampla, a “natureza” foram assimiladas a recursos a serem explorados, uma visão que tem profundas ressonâncias na atual catástrofe ecológica. A produção de novas narrativas é urgente e exige a mobilização de referências culturais, técnicas, simbólicas e cognitivas diferentes daquelas do modelo dominante. É a isso que este livro nos convida: ao percorrermos os capítulos, ancorados nos territórios dos povos ameríndios e das comunidades locais do Brasil, nos deparamos com uma diversidade de conhecimentos, indissociáveis de modos de vida e visões de mundo engendradas em um processo constante de vida compartilhada entre humanos e plantas.

Denilson Baniwa (2024), Reescrita. Coimbra: Colégio das Artes e Centro de Estudos Sociais, Projeto ECO.

Livro do artista plástico Denilson Baniwa, com uma seleção de algumas das suas obras mais marcantes e de poemas que acompanham a sua produção.

Pablo Quintanilla, Clark Barrett, Michael L. Cepek, Emanuele Fabiano y Edouard Machery, eds. (2023) Epistemologías andinas y amazónicas Conceptos indígenas de conocimiento, sabiduría y comprensión. Fondo Editorial Pontificia Universidad Católica del Perú. Lima: Perú.

Este livro é o resultado de uma pesquisa intercultural e interdisciplinar que aborda as diferentes maneiras através das quais os andinos, os amazônicos e os ocidentais se veem uns aos outros e a si mesmos, onde o objetivo é justamente aprender com essas diferenças para nos conhecermos melhor.

Manuel Martín Brañas, Emanuele Fabiano, Dennis Del Castillo Torres, eds. (2023) Donde habitan los neba: naturaleza, cultura e impactos ambientales en los territorios del Pueblo Urarina. Instituto de Investigaciones de la Amazonía Peruana (IIAP), Universidad de St. Andrews. Iquitos: Perú.

O livro reúne os resultados de pesquisas realizadas durante quase uma década no incomparável cenário natural da bacia do rio Chambira: uma paisagem biocultural de grande importância para a Amazônia ocidental e para o planeta. O volume representa o trabalho multidisciplinar e colaborativo realizado entre as comunidades, cujo objetivo é compreender melhor a dinâmica que rege os ecossistemas de inundação no território do povo urarina e suas relações com os ecossistemas não humanos.

Fernando Santos-Granero e Emanuele Fabiano, eds. (2023) Urban Imaginaries in Native Amazonia: Tales of Alterity, Power, and Defiance. Tucson: The University of Arizona Press.

A vida urbana há muito tempo é de grande interesse para os Indígenas amazônicos, que consideram as cidades como um local de extraordinário poder e perigo. As cidades tornaram-se, assim, modelos para a representação de uma alteridade extrema, sob a forma de cidades encantadas não-humanas. O objetivo do volume é analisar como esses imaginários urbanos ambíguos—representações complexas que funcionam como ferramentas cognitivas e projetos para a ação social—expressam uma visão singular das relações cosmopolíticas, como informam e moldam as interações floresta-cidade e quais foram os processos históricos por meio dos quais estes imaginários surgiram.

Este livro é o resultado de um trabalho colaborativo de mais de três anos, onde se reúnem narrativas e mitos do povo Urarina da Amazónia peruana. As transcrições em língua urarina são acompanhadas por traduções em castelhano e inglês, cujo objectivo é alcançar uma maior difusão deste tesouro cultural, de forma a que o rico universo amazónico possa ser partilhado com outros no Peru e no resto do mundo.

A série da Peter Lang Plants and Animals: Interdisciplinary Approaches, co-editada por Susan McHugh e Patrícia Vieira, publica monografias e livros editados sobre temas centrais nos estudos de plantas e de animais de uma perspetiva interdisciplinar.

Porquê Plantas e Animais?